A trajetória da Wind Company influenciou toda a didática de parapente no Brasil.

Stefan dando aulas em 1992 para uma das primeiras turmas da Wind Company.
Stefan dando aulas em 1992 para uma das primeiras turmas da Wind Company. Quem conhece nota bem a diferença entre os equipamentos daquela época e os atuais, bem mais alongados, finos e aerodinâmicos.

O Kiko Feitosa foi um dos pioneiros do parapente no Brasil e já dava aulas de voo desde o final da década de 1980, quando foi instrutor do Stefan Semenoff, que fundou a Wind Company em 1992. Desde então, ambos os instrutores sempre trabalharam em parceria, seja em escolas diferentes ou associados, como quando fundaram a Ar Livre em 1995, junto com o Mingo (Domingos Dell Acqua). O desenvolvimento de métodos de aula e materiais didáticos resultantes, influenciou na formação de grande parte dos instrutores e escolas existentes hoje, no estado de SP e até mesmo no país todo.

Nesses mais de vinte anos desde a fundação da escola os equipamentos evoluíram muito, tornando-se mais alongados e aerodinâmicos, todas as técnicas de pilotagem evoluíram igualmente e, no que se refere aos métodos de aulas práticas e teóricas, a Wind Company fez parte atuante desse desenvolvimento.

O Stefan parou de lecionar durante alguns anos a partir de 2002, dedicando-se ao montanhismo. Enquanto isso o Kiko manteve-se sempre na ativa, formando centenas de alunos e mantendo viva a Wind Company. Agora em 2016, com o retorno do Stefan, a escola ressurge na forma da parceria que a originou.

Se quiser saber mais e ver um vídeo dos primórdios do parapente brasileiro, clique aqui para ver um artigo do Wind Blog.